07/10/2021 | INOVAÇÃO

26º Seminário Competitividade & Qualidade debate a competitividade sob a ótica da inovação 

Evento integrou programação da 30ª Mercopar e reuniu time de experts no Centro de Eventos da Festa da Uva - Foto: Nataly Indicatti/CIC Caxias
Evento integrou programação da 30ª Mercopar e reuniu time de experts no Centro de Eventos da Festa da Uva - Foto: Nataly Indicatti/CIC Caxias

Diretor Corporativo de Excelência Organizacional e Tecnologia Industrial das Empresas Randon, Bernardo Bregoli Soares abriu a programação do 26º Seminário de Competitividade & Qualidade, evento promovido nessa quarta-feira (6) pela Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC), por meio da Diretoria de Desenvolvimento e Competitividade. Pela primeira vez, o evento fez parte da programação da Mercopar (Feira de Inovação Industrial) e foi realizado no Centro de Eventos da Festa da Uva.

O seminário deste ano teve por objetivo debater a “Cultura da inovação e o impacto na competitividade". De acordo com a vice-presidente de Serviços da CIC Caxias, Maristela Tomasi Chiappin, a programação do evento foi focada em temas que promovam a reflexão sobre as novas formas de pensamento relacionado à cultura da inovação e sua relação direta com a competitividade das organizações. 

O seminário reuniu palestrantes que trouxeram informações fundamentais para os negócios sobreviverem nestes novos tempos. O tema desta edição colocou os participantes diante de novas perspectivas de futuro e do grande desafio que é estar preparados para este momento de transição, assegurando competitividade aos negócios.

Além de Bernardo Soares, também palestraram a consultora em Sustentabilidade e fundadora da The Green Factory, Andrea Brasco Pampanelli, e o diretor-superintendente do Sebrae-RS, André Vanoni de Godoy. O diretor das Empresas Randon, que é referência em soluções para o transporte, com atuação global, falou sobre como o grupo trabalhou processos para acelerar o movimento da inovação e adotar novas tecnologias capazes de atender ao mercado.  Para Soares, o “diamante” da competitividade está no tripé estratégia (focada no sistema de gestão), sustentabilidade (ambiental, social e governança) e tecnologia (inovação em produto). 

Na sequência do evento, Andrea Pampanelli falou sobre inovação na manufatura sustentável e os impactos ESG (Environmental, Social and Corporate Governance). De acordo com a especialista, “inovação é resolver problemas reais, com soluções de mercado, em um ambiente com altos níveis de incerteza”. 

Andrea também explanou sobre o conceito Lean e Green, que utiliza o pensamento lean tradicional para solucionar problemas ambientais, acrescentando a dimensão do meio ambiente.  Um dos princípios é melhorar a produtividade dos fluxos de suporte à produção e reduzir o impacto ambiental.

A programação do seminário se encerrou com a participação de André Vanoni de Godoy, que falou sobre os paradoxos e oportunidades que vêm do empreendedorismo e da inovação. Godoy elogiou a iniciativa da CIC de inovar e inserir a realização do 26º Seminário da Competitividade & Qualidade na programação da 30ª Mercopar. 

O diretor-superintendente do Sebrae trouxe dados da pesquisa Monitoramento Global do Empreendedorismo, referente aos dados coletados em 2020, junto a 44 economias mundiais. O Rio Grande do Sul, acrescentou Godoy, foi uma das economias estudadas, com dois mil empreendedores pesquisados e 39 especialistas do ecossistema de inovação entrevistados. “Os resultados apontam ótimas notícias e, também, fatos preocupantes, paradoxais”, enfatizou.

A pesquisa mostra que são 2,7 milhões de empreendedores em 2020, com um crescimento de 33% em relação aos números apresentados em 2016. Entre as 44 economias pesquisadas, o estado gaúcho aparece na quarta posição. Godoy considera que é elevado o nível de empreendedorismo e, pelos dados da pesquisa, é possível estimar que mais 2.2 milhões de gaúchos gostariam de empreender nos próximos três anos, o que resultaria em cinco milhões de empreendedores: quase 80% da população economicamente ativa gaúcha.

O paradoxo a que se referiu no tema de sua palestra, segundo Godoy, reside no fato de que o índice de inovação dos empreendimentos gaúchos é muito baixo. “O Rio Grande do Sul ocupa a outra ponta do ranking dentre as 44 economias pesquisadas quando o tema é inovação. Estamos na última posição em termos de empreendimentos em estágio inicial com inovação, ou seja, que possuem um produto novo, ou usam processos novos em termos mundiais.  Ocupamos a 27ª posição, quando avaliamos empreendimentos em estágio inicial com inovação em termos nacionais, ou seja, que usam produtos ou processos novos no País. Em ambas as análises, o estado possui índice de inovação em empreendimentos em estágio inicial abaixo da média nacional”, ponderou o diretor-presidente do Sebrae-RS.

Para ele, os resultados da pesquisa mostram justamente uma oportunidade imensa para o ecossistema gaúcho de inovação. “A quádrupla hélice gaúcha está cada vez mais madura, com grandes conquistas empresariais, acadêmicas, governamentais e da sociedade organizada”, concluiu. 

A gerente de Sistemas de Gestão das Empresas Randon, Patrícia Risson de Mattos, mediou o painel ao final das palestras dos três convidados. 

Fonte: Assessoria de Imprensa da CIC - Jornalista Marta Guerra Sfreddo (MTb6267)

Outras Notícias