CSS Light Web Gallery

22/08/2019 | NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

Cases regionais de sucesso são apresentados no 18º Seminário de Negócios Internacionais

Palestrantes, diretores da CIC e patrocinadores comemoram sucesso do evento - Foto: Área de RP/CIC
Palestrantes, diretores da CIC e patrocinadores comemoram sucesso do evento - Foto: Área de RP/CIC

Foi uma programação intensa, com conteúdo de valor e muitos insights vindos de todas as experiências internacionais ouvidas e conhecidas durante quase oito horas apresentadas por um time excepcional de palestrantes. Este foi o saldo da décima oitava edição do Seminário de Negócios Internacionais realizado nesta quarta-feira (21) pela Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC), numa iniciativa da Diretoria de Negócios Internacionais.

O objetivo do evento era aproximar o empresário de um mercado em ascensão para a exportação. Para isso, a CIC definiu que o tema seria experiências internacionais, tanto de executivos expatriados como de empresas em franco processo de internacionalização. Foram apresentados cases da Soprano, Pettenati, Scheer Churrasqueiras, Unicasa e Tramontina, todas empresas da Região Nordeste do Rio Grande do Sul.

O analista da Gerência de Qualificação e Competitividade da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) Laudemir Müller fez a palestra de abertura, com o tema “A busca da competitividade no comércio exterior”. Além de apresentar os serviços de apoio ao exportador oferecidos pela agência, falou sobre as vantagens de quem exporta: diversificação de mercados, aumento de produtividade, modernização do negócio, melhoria da qualidade do produto e ganho de imagem são algumas delas, declarou. “Se bem planejada e corretamente feita, a exportação muda a empresa. Mas decisão estratégica é fundamental para exportar. Precisa de planejamento, preparação e redução de risco”, aconselhou.

De acordo com Müller, a Apex-Brasil tem ajudado muitas empresas nesse processo. No ano passado, 15.737 empresas foram apoiadas pela agência. Como resultado, as exportações das empresas apoiadas pela Apex-Brasil somaram US$ 51,5 bilhões, o equivalente a 21,5% do total das vendas brasileiras para o mercado externo.

A experiência com a expatriação

Na sequência, a coordenadora da área de importação e serviços internacionais na Soprano Fechaduras e Ferragens EIRELI, em Farroupilha, Rosa Hugen, que contou sua experiência como expatriada no México, onde coordenou a área administrativa da empresa. Num relato permeado de emoção, Rosa afirmou que “ser um expatriado é grandioso”. Ela que morou no México com o marido e a filha, acredita que a experiência traz inúmeras oportunidades. Para o profissional, a de maior desenvolvimento das suas competências individuais e coletivas; para a família, a vivência com novas culturas, experiências diferentes, mudando radicalmente seu entorno. Rosa ainda acrescentou que ser um expatriado com família, as dificuldades podem ser proporcionais ao seu tamanho. “A família deve encontrar o ponto de equilíbrio, o apoio e o amor necessários para adaptação às novas culturas, revitalizando os laços que permanecem na origem pelos familiares que fisicamente estão distantes”, sustentou.
Para quem deseja viver a experiência da expatriação, Rosa sugeriu: informe-se, planeje, pesquise, entenda o entorno; prepare-se; conheça as leis locais, adapte-se, faça novas amizades e viva intensamente.

Internacionalização de carreira

Logo após a palestra de Rosa, foi a vez da professora e pesquisadora da Universidade Federal de Santa Catarina Luciane Stallivieri falar sobre internacionalização de carreira. Para Luciane, a internacionalização de carreira surge como uma necessidade para atender às novas demandas por competências globais. Para ela, mergulhar no sistema educacional do país anfitrião é uma ótima maneira de realmente experimentar e entender as pessoas, suas tradições e sua cultura. “O maior motivo para você considerar o programa de internacionalização de carreira é a necessidade de conhecer o mundo. Você vai experimentar um novo país com novas perspectivas, costumes e atividades. Além disso, quando você está no exterior, não se limita a conhecer as vivências culturais de apenas um país, mas vários”, afirmou.

Pettenati El Salvador

Quem também falou sobre vivência internacional foi o presidente da Pettenati Indústria Têxtil, Ricardo Pettenati, que apresentou o case da empresa caxiense com 55 anos no mercado. Depois de falar do rigor com que a empresa cuida da sustentabilidade e dos impactos dos seus processos fabris no meio ambiente, incluindo a adesão a programas e padrões internacionais, Ricardo relatou como liderou o estudo de análise, desenvolvimento do projeto, construção e implantação da Pettenati Centro América, fábrica instalada em El Salvador. “Miramos os três maiores concorrentes americanos e os três maiores asiáticos, pesquisamos as 12 maiores marcas esportivas e outdoor ícones do mercado americano”, revelou. Mas a escolha por El Salvador ainda teve outros motivos: sede da maior Embaixada Americana em toda a América Latina; Base Aérea Militar Americana ao lado do aeroporto internacional (segurança); economia aberta e dolarizada; simplificação fiscal; simplificação laboral; agilidade no estudo de impacto ambiental (60 dias); e segurança jurídica (acordo de 30 anos). A fábrica salvadorenha tem 55.000 m² construídos, emprega 780 pessoas e exporta 10 milhões de quilos de tecido por ano, de acordo com Ricardo Pettenati.

Empresa presente em 78 países

Na parte da tarde, o diretor de Exportações e Negócios da Scheer Churrasqueiras, empresa de Caxias do Sul, Maurício Della Giustina. A empresa tem 43 anos de experiência na fabricação de equipamentos para assar carne e é especializada na fabricação de churrasqueiras, parrillas e equipamentos residenciais e profissionais. “Temos orgulho em trabalhar com um produto da nossa cultura”, afirmou Della Giustina.
O executivo revelou que a empresa está presente em 78 países com produtos profissionais para restaurantes, e é a única empresa brasileira no ramo de churrasqueiras aprovada pela ETL, AGA, UL e NSF (certificações americanas e Australiana de segurança e higienização). “Nossa empresa é pequena, mas metida”, brincou, ao mostrar que a Scheer está nas maiores e mais importantes redes de churrascarias no Brasil e exterior. Ao contar como foram as primeiras visitas de prospecção e as primeiras exportações para churrascarias que estavam iniciando operações nos Estados Unidos e Europa, o executivo aconselhou “Para quem quer exportar, precisa ter um bom produto, preço correto e estar no mercado correto”.

A internacionalização no sistema de lojistas

Após a experiência da Scheer Churrasqueiras foi a vez de conhecer a experiência internacional da Unicasa Indústria de Móveis, empresa de Bento Gonçalves que detém as marcas DellAnno, Favorita New e Casa Brasileira, na apresentação do coordenador de Exportação, Paulo Roberto Bellenzier Junior. Segun do ele, são 23 showroons DellAnno espalhados pelo mundo, com projetos em cidades como Dubai, Orlando, Santiago do Chile, Medelin e Punta Del Este, entre outras. Depois de falar sobre as ferramentas que a Unicasa utiliza para potencializar os lojistas, como chega até eles e como monitora o trabalho das lojas, Bellenzier disse que, para a exportação, alguns cuidados são fundamentais: planejamento estratégico, fazer o dever de casa, segmentar para começar de modo mais fácil, adotar cultura exportadora e, com a evolução, passar de empresa exportadora para empresa internacionalizada.

Presença mundial e exportações desde 1969

A apresentação de cases regionais foi encerrada com a participação do vice-presidente do Conselho da Tramontina, Joselito Gusso. A empresa com sede em Carlos Barbosa e que exporta desde 1969, tem 14 unidades comerciais fora do País, incluindo lojas físicas no conceito T Stores e pontos de vendas em países como Japão, Camarões, Moçambique, Singapura, Filipinas, Inglaterra e muitos mais, consolidando a sua presença mundial.

Patrocínios - O 18º Seminário de Negócios Internacionais foi realizado com patrocínio Master do Grupo Prexx, Ouro de Tecon Rio Grande, Trade Brazil e ZNA Advocacia, Prata de Transporte Sérgio Muraro, Bronze de Vitória Câmbio e apoio de Hotel Blue Tree e Vivelle Móveis e Decorações.

Fonte: Assessoria de Imprensa da CIC - Jornalista Marta Guerra Sfreddo (MTb6267)

Galeria de Imagens

Outras Notícias