11/11/2021 | ARTIGO

ARTIGO: O bairrismo necessário

Celestino Oscar Loro - Foto: Julio Soares/Objetiva
Celestino Oscar Loro - Foto: Julio Soares/Objetiva

*Por Celestino Oscar Loro, presidente eleito da CIC Caxias – Gestão 2022-2023

Nas eleições gerais de 2018, os diretórios dos partidos políticos de Caxias do Sul apresentaram ao eleitorado vários nomes à disputa pelos cargos de deputado federal e estadual. Naquele ano, éramos mais de 300 mil eleitores aptos a votar no município mais populoso da Serra Gaúcha. Mesmo assim, um número surpreendente de votos foi para candidatos de fora. Votos depositados nas urnas daqui ajudaram a eleger no mínimo 12 políticos de outras regiões. A pergunta que não quer calar: será que todos eles realmente trabalharam por Caxias? Será que na hora de decidir por destinar verbas para áreas como saúde e educação, pensaram em Caxias ou no seu município de origem? 

Nossa cidade, que teria capacidade de eleger de dois a três representantes para a Câmara Federal e de cinco a seis para a Assembleia Legislativa, conseguiu garantir apenas duas cadeiras na Assembleia e, pasmem, nenhum deputado federal para representar os interesses da nossa população em Brasília. 

Aonde quero chegar com estes números? O resultado das urnas serve como reflexão a respeito da importância do exercício da representação política no nível local. O papel dos deputados estaduais e federais basicamente é representar os interesses e prestar serviços aos seus eleitores, com base nas demandas da população. Quando temos representantes políticos nos legislativos gaúcho e federal, podemos cobrar ações e políticas governamentais voltadas para o município.

Obviamente que cada eleitor vota no candidato cujo programa melhor reflete o seu interesse. E o fato de a população de Caxias do Sul ser majoritariamente formada por cidadãos nascidos em outros municípios, e que para cá vieram em busca de oportunidades de emprego e qualidade de vida, explica em parte a preferência por candidatos de fora. Porém, o que estes eleitores não devem esquecer é que a falta de representantes locais se reflete na dificuldade de garantir recursos públicos federais e estaduais para educação, saúde, segurança, infraestrutura, empregos e transporte que todo cidadão exige. Sem representantes, perdemos milhões em verbas das emendas parlamentares, recursos que são imprescindíveis para o nosso desenvolvimento. 

Precisamos fortalecer a nossa representatividade. O voto consciente, bairrista até eu diria, é o nosso instrumento para garantir que as nossas demandas sejam atendidas.

2022 está logo aí e teremos novamente a chance de eleger novos candidatos. Com as próximas eleições aumenta também a nossa expectativa por mudanças no cenário político e econômico brasileiro. Não vamos desperdiçar a oportunidade de escolher candidatos que levantem a bandeira de Caxias do Sul e da Serra Gaúcha. Essa escolha, queiramos ou não, determinará o futuro da região para os próximos quatro anos, então precisamos votar com consciência e espírito público. 

Apelo também aos partidos políticos, para que avaliem com critério e lancem nomes com reais chances de serem eleitos. De nada resolve uma lista com vários candidatos que pulverizam os votos e não elegem ninguém. Com certeza, temos bons quadros dentro dos partidos, homens e mulheres que honram a função pública. Não gosto e não costumo generalizar dizendo que “político não presta”. É bem verdade que muitos já decepcionaram seus eleitores, mas quero continuar acreditando que os bons são maioria. 

Fonte: Assessoria de Imprensa da CIC

Outras Notícias