CSS Light Web Gallery

09/11/2017 | PROJETOS E INOVAÇÃO

8º Fórum de Inovação debate empreendedorismo, comunicação e novas tecnologias

Evento, realizado nesta quarta-feira (8), teve como tema “Cruzando o abismo: a inovação como ponte” - Foto: Giovana Schmitt/CIC
Evento, realizado nesta quarta-feira (8), teve como tema “Cruzando o abismo: a inovação como ponte” - Foto: Giovana Schmitt/CIC

A oitava edição do Fórum de Inovação, promovido pela Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC), por meio de sua Diretoria de Projetos e Inovação, nesta quarta-feira (8), debateu o empreendedorismo, a comunicação e as novas tecnologias. Com o tema “Cruzando o abismo: a inovação como ponte”, representantes da SPR, Cubo, Lamiecco, GetNet, 3M, IBM, TAG Experiências Literárias, Tecnosinos, Urbe.me e UFRGS apresentaram painéis e cases que aproximaram o público das ferramentas e processos inovadores.

Na parte da manhã, a palestra de abertura ficou a cargo do diretor-executivo e sócio-fundador da SPR Agency, Juliano Brenner Hennemann, com o tema “Só a criatividade salva”.  Ele falou sobre criatividade e inovação para a sobrevivência dos negócios e sugeriu que as marcas devem seguir por caminhos nos quais a ousadia esteja presente. Segundo Hennemann, as pessoas são impactadas por mais de três mil marcas diariamente. “Uma das funções da marca é diferenciar e diminuir o medo do desconhecido. Tenho que ser diferente do concorrente e essa diferença tem que ser relevante”, argumentou.

Logo após, o diretor-geral do Cubo Network, Flávio Pripas, falou sobre ambientes de inovação, mentalidade startup e inovação disruptiva. “Nossa missão é inspirar, educar e conectar pessoas brilhantes para fomentar o empreendedorismo digital no Brasil”, afirmou Pripas ao falar sobre o trabalho do Cubo, sediado em São Paulo, por onde circulam mais de 600 pessoas diariamente, possui mais de 250 residentes e mais de 50 startups.

Na sequência, o diretor-executivo do São Leopoldo Tech Park (Tecnosinos), Luís Felipe Maldaner, falou sobre como inovar na indústria tradicional e sobre os antigos e novos paradigmas da inovação. Segundo o executivo, os modelos tradicionais, estruturas e processos rígidos, aversão ao risco, novas tecnologias e receio de mudar são “as dores da inovação”. Apresentou também os programas estruturantes do Tecnosinos e revelou que 104 empresas atualmente são apoiadas pelo trabalho do parque tecnológico.

A programação do seminário prosseguiu com a palestra do gerente Técnico da 3M Marcelo Gandur, que falou sobre a área de pesquisa, desenvolvimento e sobre como a empresa aplica a ciência para melhorar a vida das pessoas. “Aplicamos tecnologias individuais em todos os nossos negócios e as combinamos em formas únicas e criativas”, assinalou, mostrando produtos 3M que se inserem nessa premissa.  

Na sequência, o líder da IBM Brasil para Soluções de Indústria, Enio Garbin, falou que a empresa já há muito tempo trabalha com o conceito de inclusão e que estimula seus funcionários a pensarem e a agirem de forma diferente. “Estamos vivendo um novo mundo, e a mudança vem da sociedade e não da gente”.

A programação da tarde se iniciou com o painel “Endeavor: inovação como pilar de crescimento”, com o sócio-fundador da Urbe.me Paulo Deitos, o CEO da Lamiecco, Alexandre Figueró, o sócio-fundador da TAG Experiências Literárias Tomás Susin dos Santos, com mediação do gestor de Contas da Endeavor Brasil, Diogo de Souza.  Figueiró afirmou que “a inovação não é focada nos nossos desejos, mas no que o cliente precisa”. Ele disse ainda que tem que ser inovador não só nos produtos, mas também nos processos, especialmente na gestão de pessoas, e falou sobre os programas que a Lamiecco implantou para incentivar o pensamento criativo e inovador em suas equipes.

Paulo Deitos, do Urbe.me, o primeiro site de crowdfunding imobiliário do Brasil, afirmou que “o compartilhamento é uma nova etapa da nossa economia. Faz mais sentido ter acesso do que ter posse, e os intermediários saem do caminho”. Para Deitos, a tecnologia por si mesma não é o verdadeiro disruptor. “Não entender o cliente é a maior ameaça para qualquer negócio”, enfatizou. Já Tomás Susin dos Santos, da TAG, um clube de assinatura de livros, contou como a empresa superou os desafios que quase fizeram os sócios desistir do negócio, lançado em agosto de 2014, até o momento atual, quando já somam mais de 20 mil assinantes ativos e estão presentes em todos os estados brasileiros e em quase 1.600 cidades, com previsão de R$ 14 milhões neste ano. Mediador do painel, Diogo de Souza, da Endeavor Brasil, salientou que o papel da organização que apoia o empreendedorismo é multiplicar os empreendedores que transformam o Brasil.

Perspectivas da inovação e alternativas para o Brasil” foi o tema da palestra do professor titular da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Paulo Antônio Zawislak. O professor alertou que “em 10 anos, quem não for digital não sairá de casa. Tudo é ou será digital”. Zawislak disse também que o Brasil ainda é um país de tecnologias tradicionais e advertiu a indústria de Caxias do Sul: “Vocês precisam acordar”.

O painel de encerramento teve a participação de Alexandre Matte Júnior, membro do Comitê de Inovação da Usaflex, e do gerente de Inovação da Getnet, Leandro Siminovich. Matte contou como a gaúcha Usaflex usou da inovação para agregar um novo design à qualidade e conforto de seus calçados, duas características já reconhecidas pelos clientes.  Já Siminovich contou a trajetória de sucesso da GetNet, cujo propósito é se transformar em uma empresa disruptiva, colaborativa, tolerante ao erro, legal de trabalhar e altamente adaptável às mudanças, entre outros.

O 8º Fórum de Inovação contou com os seguintes patrocínios: Diamante: Under e Grupo RBS; Prata: Cigam Software de Gestão e NOVOO, Apoio: NL Informática, Sebrae, Super 8 Hotéis, Vivelle e Zbra Agência Completa; Apoio Institucional: Endeavor Brasil.

Fonte: Assessoria de Imprensa da CIC - Jornalista Marta Guerra Sfreddo

Downloads

Outras Notícias